Hotel Transilvânia 3: Férias Monstruosas | Crítica

Ao embarcar os monstros rumo as férias, Hotel Transilvânia 3: Férias Monstruosas (Hotel Transylvania 3: Summer Vacation, 2018) tem nessa nova história uma trama cativante, marcada pelo o retorno dos personagens carismáticos dos primeiros filmes e faz uma animação monstruosamente divertida.

Foto: Sony Pictures

Nesse terceiro longa nada bleh bleh bleh e sim ha ha ha! e Hotel Transilvânia 3, pega uma premissa simples onde literalmente a história sai do ambiente tradicional do Hotel Transilvânia (já visto nos outros dois filmes anteriores) e coloca a família Drácula e todos os amigos monstros dentro de um avião capenga rumo à um cruzeiro de férias.

O mais bacana desse filme é que se você não assistiu nenhum dos dois anteriores, pode ir ver esse terceiro sem medo, Hotel Transilvânia 3 é mais uma aventura (assustadoramente engraçada) isolada da franquia e sua trama começa e se desenvolve naturalmente sem a preocupação de introduzir muitos os personagens principais. Afinal, é um bando de monstros clássicos como A Múmia, a família Lobisomen e o Casal Invisível dentro de um cruzeiro com o Conde Drácula.

Com um tom mais leve e descompromissado que os outros filmes, em Hotel Transilvânia 3 vemos Drácula tentar relaxar e em busca um novo amor (um novo tcham!) e graças a filha Mavis eles embarcam numa viagem de férias. O filme acerta em colocar referências culturais à todo instante, que vão desde aplicativos de relacionamentos, até a música dançante Macarena mas no final o roteiro acaba focando literalmente muito de suas piadas para crianças.

Foto: Sony Pictures

Todos os personagens acabam tendo um pouco de destaque mesmo que a conta cotas como é o caso de Dennis (o filho meio humano meio vampiro de Mavis e Johnny) e seu cachorro Puppy, o grandão Frankenstein que acaba por deixar  partes do seu corpo nas mesas de apostas no cassino ou a família de Lobisomens que tem momentos para relaxar sem a quantidade de filhotes absurdamente alta na sua cola.

A animação mescla um pouco de romance, graças ao envolvimento de Drac com a Capitã Erica (mesmo que tenha uma virada de roteiro que segure a trama), um pouco de aventura, a busca de um artefato perdido e um vilão a ser enfrentado e claro, faz um bom family movie ao passar uma mensagem embutida no seu final.

Assim, no final, Hotel Transilvânia 3 faz um terceiro filme que entrega uma história satisfatória para o grupo de monstros com um bom trabalho de animação digital e claro com destaque para a dublagem nacional que acerta em regionalizar certas piadas e situações para a realidade brasileira.

Hotel Transilvânia 3, tem previsão de estreia para 12 de julho nos cinemas.

Miguel Morales

Sempre posso ser visto lá no Twitter falando sobre o que acontece na TV aberta, nas séries, no cinema e claro outras besteiras. Uso chapéu branco e grito It's Handled! Me segue lá: twitter.com/mpmorales