Homeland | 6×03 – The Covenant

Intensa e relevante, Homeland vai mostrando domínio sobre suas tramas, mesmo que algumas ainda estejam bem cruas e recentes. Só em focar um pouco em Saul, a série sai de sua zona de conforto e mostra um homem cheio de convicções, mas que se ressente de ter perdido um pouco de seu passado. Carrie ficou um pouco de lado, mas sempre está no olho do furacão…

ALERTA DE SPOILER: Este artigo contém informações sobre os principais acontecimentos do episódio. Continue a ler por sua conta e risco.

A parte da trama de Carrie ficou por conta de Sekou e o fato dela ter complicado a vida do garoto, pois se antes eles podiam apelar e até ver uma fiança, agora nada feito. Reda ainda joga Carrie contra a parede, para que ela dê um jeito, e só lhe resta ir para cima de Conlin… Nessa ela consegue através de um amigo gravações importante que podem obrigar Conlin a retirar as queixas de cima de Sekou, mas até onde o garoto é realmente inocente?

Por parte de Saul, ele consegue ir atrás de Nafisi em Abu Dhabi, e com um método nada convencional, pressiona o homem do governo Iraniano a falar sobre seus projetos com a Coréia do Norte. Nafisi nega veemente, mesmo depois falando de armas anti-bombas e tudo mais, mas nada que Dar Adal possa acionar contra eles. A grande questão é que Saul não confia em Nafisi, mas não tem nada pra ajudar. Com tempo de sobra Saul vai visitar sua irmã, quem não vê há anos e a conversa dos dois é bem interessante, mostra as divergências entre eles, mas sempre demonstram o carinho.

Mas eis que na calada da noite preta, Saul sai as escondidas para um encontro misterioso…

Dar Adal já não confia tanto na Presidente Keane e descobrimos isso da pior forma, com escutas… Ali ele descobre posicionamentos importantes, principalmente com Carrie contrariando informações que ele diz conclusivas para Keane, alegando que Saul não agiria daquela forma. Gosto destes jogos de poder, principalmente quando sabemos que há mais por trás, mas somente com a expansão do jogo podemos compreender a profundidade dos atos dos personagens.

Quinn segue seu tratamento, mas começa uma espécie de paranoia, que no momento é sobre o apartamento de Carrie estar sendo vigiado. O reencontro dele com a mulher que o levou para ser assaltado, e então até o homem que levou sua grana foi bem morno, mas gostei da reação dele para cima do homem, com direito a porradaria. Agora de posse de uma arma, temo pelas suas ações e em que elas podem implicar para Carrie.

Homeland vai crescendo gradativamente, dando significado as ações de seus personagens e as reações para elas. Gosto do jeito que a série sabe trabalhar lentamente, sem cair no marasmo, além, é claro, de Claire Danes ser incrível!

Fico por aqui, comentem e to be continued