Homecoming | Spoilers, teorias e explicações sobre a 1ª temporada (e a cena pós-créditos!)

Você puderam ler nossa crítica sem spoilers da primeira temporada de Homecoming e agora voltamos para analisar e falar (com spoilers!) sobre os acontecimentos apresentados nesses 10 episódios do primeiro ano.

Confira spoilers, teorias e explicações da série aqui.

ALERTA DE SPOILER: Este artigo contém informações sobre os principais acontecimentos do episódio. Continue a ler por sua conta e risco.

Homecoming prime video final explicado
Foto: Amazon Prime Video

1 – As linhas do tempo

Conforme vimos ao longo da primeira temporada, Homecoming se passa em duas linhas do tempo.

A primeira no ano de 2018, onde acompanhamos Heidi Bergman (Julia Roberts), uma terapeuta que trabalha na Homecoming Transition Support Center, e ajuda soldados a voltar para o dia-a-dia e estabelecer uma rotina depois que são dispensados de suas missões. E vemos, também, a trama no futuro, em 2022, onde Heidi mora com sua mãe, trabalha como garçonete e não lembra de nada do seu antigo trabalho.

Uma das coisas mais interessante em Homecoming é que quando a história se passa no futuro, vemos que tela fica com um aspecto 4:3, onde os acontecimentos são retratados em formato quadrado, como se estivéssemos por assistir a série num antiga fita VHS. Isso, a princípio, parece ser uma opção estética usada pela produção, mas, no final, acaba por ser muito mais importante para a história e seu desenvolvimento.

Ao longo dos 10 episódios do primeiro ano, vemos a trama de 2018 se desenrolar até um ponto crítico e super importante para série, a data de 15 de maio de 2018, onde Heidi foi desligada da empresa.

Mas por que o formato da tela é tão importante para Homecoming? Isso está ligado com os eventos que acontecem com os personagens e também com o projeto que terapeuta trabalha.

2 – O projeto da Homecoming

Homemcoming spoilers
Foto: Amazon Prime Video

Vemos ao longo dos episódios descobrimos que a Homecoming Transition Support Center é um projeto do conglomerado de empresas chamado Grupo GEIST. Assim, acompanhamos o dia-a-dia da empresa e descobrimos que é produzido um tipo de medicação que facilita os soldados americanos a superarem o trauma de guerra e lutaram contra seus problemas de ansiedade que são desencadeados por situações vividas em combate, a doença conhecida como Estresse pós-traumático (do inglês PTSD).

Assim, o papel de Heidi, com terapias, é identificar situações chaves nos pacientes, tratá-los com a medicação ao longo de 6 semanas, enquanto essas memórias são “apagadas” das mentes dos soldados e assim ser possível que eles retornem novamente para combate.

Na 1ª temporada, vemos as consequências do tratamento de Walter (Stephan James, ótimo) e que levou Heidi a ser desligada do centro médico. A linha do tempo no futuro, se passa, com a tela no aspecto 4:3 por mostrar que os personagens não estão capazes de acessar inteiramente suas memórias, esquecendo pessoas, datas e situações e comprovando que o remédio em si funciona, para a alegria de Colin (Bobby Cannavale, numa de suas melhores fases), o executivo responsável pelo projeto.

3 – Heidi, o remédio e Walter

homecoming final explicado
Foto: Amazon Prime Video

Uma das grandes questões durante a primeira temporada é saber quem fez Heidi esquecer de certos acontecimentos vivenciados por ela. No episódio 9 – Work, enfim temos nossa resposta.

Ao descobrir que o grupo GEIST desenvolveu o remédio para os soldados voltem para a guerra logo, a terapeuta resolve salvar Walter, afinal os dois acabar por desenvolver uma certa afeição. Ao longo das sessões (e dos episódios), ela percebe que a droga fez efeito no rapaz, então, ela mesma toma a medição com a dose da semana 6 (a última e super alta) o que acaba por afetar suas próprias memórias e, ao mesmo, repete a dose no soltado que sofre com uma super-dosagem e precisa deixar o tratamento em estado vegetativo. Assim, ela salva Walter de voltar para a guerra.

Já nas cenas do futuro, em 2022, vemos a personagem recuperar a memória, depois de receber estímulos no meio da investigação do funcionário do Departamento de Defesa, Thomas (Shea Whigham). E no episódio 10 – Stop, vemos Heidi encontrar, finalmente, com Walter mesmo que aparentemente ele não se lembre dela.

Será que para o personagem não falta algum estimulo? Ou ele não quer se lembrar da terapeuta? O que sabemos que Walter ainda tem algum tipo de memória sobre seus conversas com Heidi, e isso fica claro quando ele mexe nos talheres durante a conversa final no restaurante.

4 – As cenas pós-créditos 

homecoming cenas pós créditos
Foto: Amazon Prime Video

Assim, ao longo dos últimos episódios vemos que o grupo GEIST está inteiramente por dentro dos acontecimentos do projeto Homecoming. Mesmo com o Colin, tentando arrumar as coisas que deram erradas vemos que a empresa não está contente com o trabalho do executivo. Ao em vez de ser promovido, Colin precisa assumir a culpa e descobrimos que quem irá tocar a área é sua secretária Audrey (Hong Chau).

Vemos que a moça passa a perna do seu antigo chefe ao longo do final da temporada. Ao final da cena pós-crédito, vemos a nova gerente utilizar um frasco vermelho (talvez uma versão diferente do remédio?) que parece suavizar sua consciência.

Mas será que ela era mesmo a secretária? Será que Audrey não é o próprio Sr. Gesit, o fundador da empresa que ninguém conhece? O que será que ela irá fazer a frente do projeto agora?

Segundo entrevistas do criador da série Sam Esmail, a personagem terá um grande destaque no novo ano. Mas então, o que será que a segunda temporada nos reserva?

Será que Heidi e Walter ficarão juntos? O que acontecerá com a Gesit e a ação que o Departamento de Defesa dos EUA tomar contra eles? E o que acontecerá com a droga?

A série já foi renovada para um segundo ano ainda sem data de estreia programada.

Miguel Morales

Sempre posso ser visto lá no Twitter falando sobre o que acontece na TV aberta, nas séries, no cinema e claro outras besteiras. Uso chapéu branco e grito It's Handled! Me segue lá: twitter.com/mpmorales