Guardiões da Galáxia Vol. 2 | Crítica

Quando o primeiro filme da franquia, Guardiões da Galáxia, estreou em 2014 ele trouxe um sentimento de novidade e um sopro de originalidade para os filmes de super-heróis tanto da Marvel quanto as outras produções do mesmo estilo feita por outros estúdios de uma maneira geral. Com um elenco grandioso e de rostos conhecidos o longa contou a história de um bando de trapaceiros que acabou se juntando para salvar a galáxia. Devido ao seu estilo diferente e bem humorado o filme foi um sucesso imediato de público e crítica.

Assim depois de muita expectativa, muito hype chegamos enfim em 2017 e o segundo filme, Guardiões da Galáxia Vol. 2 (Guardians Of The Galaxy Vol.2, 2017) está para estrear nos cinemas e claro levar milhões de pessoas para acompanhar a nova jornada dos heróis que agora são uma família, uma bem desajustada mas sim, uma família. Aliás a palavra que define o segundo volume é família e claro sua ótima trilha sonora, obviamente.

Guardiões da Galáxia
Foto: Marvel Studios/ Disney

Então acompanhamos a trama de 3 núcleos que se interagem entre si mas com o mesmo tema: família ou a busca de uma. Temos Peter Quill (o absolutamente engraçado e muito confortável nesse papel Chris Pratt) na busca de mais informações sobre seu passado e claro sobre a identidade de seu pai afinal o Senhor das Estrelas deve ser muito especial pois conseguiu segurar aquela jóia do infinito. Como Gamora (Zoe Saldana) e Nebula (a irreconhecível mas mesmo assim ótima Karen Gillan) se relacionam entre si depois dos acontecimentos do primeiro filme e como a relação delas será agora depois que se livraram da influência do pai Thanos. E claro como Drax (Dave Bautista), Rocket (voz de Bradley Cooper) e todo o restante do time lidam com o fato de (Baby) Groot (voz do Vin Diesel) ser apenas uma criança planta que anda gritando com seu macacão vinho por ai. Aliás Groot tem as cenas mais fofas e engraçadinhas do filme todo.

Juntando isso tudo o time aprende de uma vez por toda que eles são mais que parceiros eles são amigos trabalhando para ganhar um dinheiro as custas de salvar a galáxia. A cena de abertura do filme é fantástica, perfeita e absolutamente muito bem dirigida por James Gunn. Ela mostra bem o humor caraterístico do filme e assim como já nos seus primeiros minutos percebe o cuidado com os efeitos especiais e detalhes da produção. Utilizando uma paleta de cores vivas e bem vibrantes Guardiões da Galáxia Vol. 2 se destaca juntamente com suas piadas afiadas e com excelentes referências ao mundo pop indo de David Hasselhoff da série Baywatch até Mary Poppins que curiosamente a Disney faz um remake para lançamento em breve.

O filme aproveita também para fazer um update na sua trilha sonora com destaque para “The Chain”, do Fleetwood Mac, “Come a Little Bit Closer” de Jay and the Americans e “Father and Son“ de Yusuf / Cat Stevens . E além disso também se aprofunda na mitologia de si mesmo com toda a história envolvendo Ego e seu planeta (o canastrão na medida certa Kurt Russel) e claro ao conhecemos mais sobre os saqueadores comandados pelo azulão Yondu (Michael Rooker) e sua lança mortal que ganha um belo destaque durante a trama, afinal Peter Quill foi sequestrado da Terra por ele e isso claro gera um pouco de drama para o longa.

Guardiões da Galáxia
Foto: Marvel Studios/ Disney

Junto com os novos personagens conhecemos mais sobre a tropa de soldados geneticamente modificados chamados Sovereign e que são comandado pela dourada, elegante e vilanesca Ayesha (Elizabeth Debicki). Mas quem claro a rouba cenas e acaba sendo um dos destaques mais engraçados do filme é a ajudante com poderes especiais Mantis (a super expressiva e hilária Pom Klementieff). Os Guardiões a conhecem junto com Ego mas ela esconde um segredo que acaba por dar a virada na trama.

Esse segundo volume tem tudo que o primeiro teve, comédia, ótimos efeitos especiais, cenas de ação e lutas no espaço, um pouco de romance (ou uma coisa não verbal implícita se você preferir), momentos de dramas na medida certa mesclado claro com muitas piadas mas não chega a ser melhor que seu antecessor. Guardiões da Galáxia Vol.2 acaba por ser novamente uma trama isolada de tudo que acontece no Universo Cinematográfico da Marvel, falhando em não deixar nenhuma ponta para os próximos filmes do estúdio de maneira clara. Talvez em Vingadores: Guerra Infinita que tem previsão de estréia para 2018 alguma das coisas apresentadas aqui devam fazer sentido lá na frente, o que claro não prejudica totalmente a produção desse filme em si, assim James Gunn e sua turma acertaram e acertaram muito nesse filme, assim #GuardiõesEhDoK7.

Ps: Fiquem até o final mesmo do filme. As tão comentadas cenas pós-creditos, 5 no total, são bem interessantes e completam muita coisa mostrada no filme e claro algumas deixam ganchos para o próximo filme da franquia. Destaque também para as interações dos atores com seus personagens ao longo dos créditos finais.

Nota do Crítico:

Guardiões da Galáxia Vol. 2 estréia em 27 de Abril nos cinemas.