Great Teacher Onizuka (GTO): bons questionamentos juvenis

Se você curte anime, há uma grande chance de que tenha assistido ou ouvido falar mais no estilo shounen (aqueles que tem bastante luta, foco nas amizades masculinas e um certo suor nos olhos vez ou outra). Bem, há mais entre o Japão e os animes do que nossas vãs TVs abertas tem nos proporcionado ao longo dos anos.

Dê uma olhada em GTO se tiver a chance. Não, não é o carro!

Great Teacher OnizukaGreat Teacher Onizuka é sobre um ex-delinquente que sonha em ser professor (para poder azarar as garotas). Pervertido? Um pouquinho. Mas qual o cara de 22 anos que não pensa em coisas eróticas? O ponto é que Onizuka fez e faz parte da escória da sociedade japonesa, mas não está disposto a se render.

Com discussões sobre temas como ética profissional, abuso de poder, pais ausentes misturado à questionamentos juvenis, esse anime lançado em 1999 conta com 43 episódios. Mas fica tranquilo! Não é drama mexicano.

Escrito por Tohru Fujisawa, Great Teacher Onizuka é continuação de outro mangá do autor, o Shounan Jun-ai Gumi, lançado em 1997 pela Shonen Magazine. Antes de virar anime, a trama ganhou um j-drama, e se você assistir notará que a história é mais dramática do que sua versão em animação.

Compilado em 25 volumes pela Kodansha, em 2009 o mangá teve uma continuação, GTO – Shonan 14 Days, e em 2014, pela Young Magazine, GTO ganhou outro mangá, o GTO: Paradise Lost.

As caras e bocas de Eikichi Onizuka vão te garantir boas risadas.