Frequency | 1×10 – The Edison Effect

Confesso que no início Frequency me conquistou de jeito tanto pela trama, quanto pelo elenco. Peyton List é incrível!!! Agora, a 4 episódios para o fim da temporada, que já não foi renovada, a série começa a dar sinais de cansaço e enjoar devido a suas enrolações na trama. Pelo jeito a série não tem fôlego para mais episódios…

ALERTA DE SPOILER: Este artigo contém informações sobre os principais acontecimentos do episódio. Continue a ler por sua conta e risco.

Este episódio serviu apenas para mostrar Deacon como Nightingale e é a partir daí que temos uma correria e uma mudança em Frank e Raimy. Ela deixa claro que fará o que for necessário para pará-lo no seu presente, enquanto Frank também arma para agir. Assim, se ele matar Deacon no passado, as atitudes de Raimy serão em vão e tudo será reescrito. Essa é a parte que acho bacana dos acontecimentos terem quebrado a linha do tempo e ambas as situações acontecerem simultaneamente.

Em 1996 Frank começa a mudar com Satch por conta de sua ligação e a forma como defende Stan. Espero que essa questão seja bem trabalhada nas duas linhas do tempo, pois acaba rolando um stress bem grande por parte disso. Em contrapartida, Frank está bem com Julie, ficando mais próximo a esposa e a filha, o problema é que é uma ligação dela que atrapalha seus planos…

Frank consegue pegar Deacon e o coloca em seu porta-malas do carro, mas sofre um acidente quando sua esposa lhe telefona, colocando seu plano em risco e o futuro também… O motivo do futuro ter problemas? Frank coloca Julie ainda mais na linha de fogo de Deacon e também faz com que Raimy mantenha suas atitudes.

O problema com a atitude de Raimy é que ela após perseguir Deacon, que matou Meghan e colocou suas evidências em chão, ela o encontra no posto de gasolina e atira sem pestanejar. Com a morte de sua mãe, essa atitude é certeira, pois ela desconta toda sua raiva no assassino, mas em sua linha do tempo não há certeza sobre Deadon ser Nightingale…

Da parte mais avulsa, Raimy tem um momento mais família com Gordo, que não é próximo a seu pai, mas o que me deixa irritado é sua relação com Daniel e Mike, uma indecisão que não nos envolve e fica avulsa.

Como eu disse, gostei bastante do início de Frequency, mas o caminhar das tramas chegou a um ponto que não me envolve mais.

Fico por aqui, comentem e to be continued