Duas de Mim | Crítica

Por mais fantasiosa que uma história pode ser se tivermos um bom elenco, uma direção que tem conhecimento do assunto e um roteiro que sabia aparar certas pontas tudo é valido. E em Duas De Mim (2017), é um grande exemplo que ao acertar essas coisas dá para fazer um filme interessante e aqui isso acontece de forma bastante natural sem parecer forçado ou que subestima a inteligência de que assiste.

Numa comédia leve e super bem humorada, temos a verdadeira chance de Thalia Carauta em conseguir brilhar sozinha. Mesmo sendo destaque dentro do programa Zorra Total como Janete e depois como a Dialinda em SOS Mulheres Ao Mar (2014) a atriz aqui decola de uma forma supriendente. Cheia de si e dominando todo momento que aparece em cena como a esforçada Suryellen, Carauta consegue passar bem a realidade de uma mãe, mulher e trabalhadora do Rio de Janeiro.

Foto: Paris Filmes/Downtown

A história é daquelas que você precisa embarcar para curtir e isso é um dos acertos do roteiro que consegue fazer do filme um grande episódio de um humorístico de final de ano global. Na trama, a personagem é um jovem mãe solteira que trabalha duro para sustentar a casa onde mora com a familia. Assim, Suryellen se divide em vários empregos e sempre tenta fazer o seu melhor, acordando cedo e cozinhando para fora e à noite trabalhando como limpadora de pratos num restaurante balado.

Querendo crescer na vida e garantir um futuro melhor para o filho a personagem no melhor estilo do conto de Aladdin, acaba por ter uma ajudinha mágica. Mas em vez de encontrar um gênio com uma lâmpada mágica, ela cruza com uma doceira meio maluca, com um visual igual da Mary Poppins e um bolo enfeitiçado. Assim, ela tem seu desejo realizado: se dividir em duas para conseguir realizar todos suas tarefas.

Duas de Mim, consegue mesclar a realidade e fantasia de um forma super natural com boas piadas que não caem no humor raso ou aquele humor peito-bunda. Mesmo com algumas partes um pouco mais dramáticas e até um pouco desnecessárias o filme consegue mostrar as várias facetas. Com uma trama que também acaba envolvendo uma competição de um programa de culinária, passando pelos problemas de relacionamento entre mãe e filho e com a cópia quer passar a perna na original, o filme tem boas boas sacadas e claro momentos hilários e divertidos.

Os personagens secundários também tem seu momento como a atriz Leticia Lima, numa participação pequena consegue brilhar e sempre ser muito desenvolta em tela com a irmã encostada que adora um lanche, Sarelly. O outro destaque fica para a participação do cantor Latino como Chicão, o funcionário do restaurante/ cover do Latino que deixa o filme mais agradável de se ver pelo fato do cantor não ser ator. Ainda completam o elenco a vilã super caricata Valentina, interpretada pela sempre muito competente, Alessandra Maestrini. 

O filme tem seus problemas claro, alguns personagens somem e desaparecem ao longo de suas mais de 1h30 de duração, a continuidade é um pouco deixada de lado assim como algumas conveniências do roteiro que acontecem para deixar a trama fluir. A direção de Cininha de Paula mostra que toda a bagagem em televisão é muito bem vindo para televisão e que ainda precisa de mais uns aparos para o mundo do cinema.

Mas no final, Duas de Mim é um bom filme nacional. Engraçado na medida certa, com uma mensagem interessante da importante da familia, é uma produção para quem quer dar boas risadas e curtir uma história simpática e agradável.

Nota do Crítico:

Duas de Mim chega nos cinemas nacionais em 28 de Setembro.

Miguel Morales

Sempre posso ser visto lá no Twitter falando sobre o que acontece na TV aberta, nas séries, no cinema e claro outras besteiras. Uso chapéu branco e grito It's Handled! Me segue lá: twitter.com/mpmorales