Dr. Slump #3 | Resenha

A cada volume de Dr. Slump Akira Toriyama nos entrega uma verdadeira viagem insana pela Vila Pinguim e nos faz ficar apaixonado por esse universo maluco que criou. Se Arale já é encantadora, até mesmo quando um grilo entra em seus controles a deixa sensacional.

Saber brincar com as situações e seus personagens nos deixa bobos imaginando para onde Toriyama levará sua aventura, e até quando ele nos joga dentro do livro de história e faz um personagem clássico como Musashi sair do livro e estragar a história, mostra como ele viaja em suas aventuras.

Quando vemos os aliens com a bunda na cabeça próxima ao nariz e ele faz piadas com cueca e peido perto das narinas, a situação é ridícula, mas engraçada a ponto de nos levar a gargalhadas, ainda mais quando Gatchan come sua nave.

E Senbei Norimaki não ficou de fora. Seu alvo, a doce professora Midori, ainda o faz se meter em trapalhadas graças as brincadeiras de Arale e Akane, em uma forma de Toriyama tirar onda dele não mudar muito os traços dos rostos femininos, mudando apenas o penteado e a maquiagem de Akane para fazê-la se parecer com Midori. Surreal e delicioso!

Dr. Slump vai apresentando personagens e invenções bizarras de Senbei e vai nos deixando apaixonado por cada uma das coisas que vai jogando em suas páginas e nos mostra que desde então Toriyama sabe brincar com personalidade e explica o sucesso de seu Dragon Ball. Essa edição da Panini Comics segue seu padrão, não inova em nada, até por motivos de contrato, e não encontrei nenhum erro gritante por suas páginas, como cheguei a achar alguns erros de digitação e até concordância em Jaco.

FICHA TÉCNICA

Título: Dr. Slump #3
Título: Dokutā Suranpu #3
Autor:
 Akira Toriyama
Editora: Panini Comics – Planet Manga
Ano: 2017
Gênero: Ação, Aventura
Páginas: 200
Formato: 19,8 x 13,4 x 1,4 cm
ISBN: 978-85-426-0862-5

Dan Artimos

Sou formado em Sistemas de Informações, e amante de televisão. Trabalho, leio bastante, estudo, vou a cinemas, parques e corro (ultrapassada a meta pessoal dos 21km), e ainda assim vejo séries e escrevo sobre elas. Sim, nem eu sei como consigo fazer a organização de minha agenda no meio de tantas nerdices.