Documentário Traço Livre – O Quadrinho Independente no Brasil chega às plataformas digitais dia 31

Traço Livre – O Quadrinho Independente no Brasil, dos produtores Jun Sakuma e Felipe Folgosi, chega às platagormas digitais no dia 31 de maio. Produzido pela Bravo Cinematográfica, dirigido por Sakuma (Médicos da Floresta) e apresentado por Folgosi (171 – Negócio em Gamília), o longa-metragem de 82 minutos tem distribuição da O2 Play.

O filme documenta passo a passo como se dá a produção de uma história em quadrinhos, da ideia inicial, passando pelo roteiro, artes, editoração e lançamento e revela, através de entrevistas com nomes de peso, os bastidores, segredos e anseios de se produzir quadrinhos no Brasil hoje. Filmado ao longo de todo o ano de 2017 e finalizado em 2018, o filme conta com depoimentos de:

Quadrinistas

Brão, Caio Majado, Camila Torrano, Dalton Cara, Davi Calil, Eduardo Ferigato, Gidalti Jr (vencedor do primeiro prêmio Jabuti para HQ em 2017), Julia Bax, Luciano Salles, Magenta King, os gêmeos Magno e Marcelo Costa, o veterano Marcatti, Petreca (melhor desenhista nacional 29º Prêmio HQ Mix 2017), Rafael Coutinho, primogênito da cartunista Laerte, Wagner Willian (melhor novo talento roteirista 29º Prêmio HQ Mix 2017), Wata

Editores

Daniel Lopes (Pipoca e Nanquim), Douglas Utescher (UgraPress), Felipe Cagno (Timberwolf Entertainment), Guilherme Kroll (Balão Editorial), Klebs Junior (Instituto HQ), Raphael Fernandes (Draco), Rogério de Campos (Veneta), Sidney Gusman (MSP).

Outros profissionais

Alexandre Jubran (ilustrador e professor), Gustavo Piqueira (designer gráfico), Hector Lima (roteirista), Lilian Mitsunaga (letrista), Matheus Lopes (colorista), Octavio da Costa (proprietário da Gibiteria), Omar Viñole (melhor arte-finalista no 29º Prêmio HQ Mix 2017), Roberto Sadovski (jornalista).

Traço Livre – O Quadrinho Independente no Brasil estará disponível nas plataformas iTunes, Google Play e NOW no dia 31 de maio.

Dan Artimos

Sou formado em Sistemas de Informações, e amante de televisão. Trabalho, leio bastante, estudo, vou a cinemas, parques e corro (ultrapassada a meta pessoal dos 21km), e ainda assim vejo séries e escrevo sobre elas. Sim, nem eu sei como consigo fazer a organização de minha agenda no meio de tantas nerdices.