Conviction | 1×10 – Not Okay

Retornando para continuar sua temporada, Conviction mantém o seu ritmo e traz um caso interessante, forte e com as reviravoltas de sempre, nos enganando até as últimas cenas e nos fazendo duvidar sobre a pessoa escolhida para ser protegida. Nada diferente do que foi mostrado até aqui, mas com o diferencial do peso das consequências do último episódio em cima de Hayes.

ALERTA DE SPOILER: Este artigo contém informações sobre os principais acontecimentos do episódio. Continue a ler por sua conta e risco.

Da escolha para o caso, até o sexo com Wallace, tudo foi consequência da morte de Earl devido a demora em resolver o caso. Com isso na cabeça, vemos Hayes perdida, ao mesmo tempo em que se encontra decidida em ir em frente com o caso da garota que “diz ter sido estuprada” pelo famoso jogador de futebol da universidade, o que implicaria com uma má reputação para o campus da universidade.

E interessante a forma como trabalham as motivações e nos fazem duvidar da garota, mas logo em seguida modificar e abrindo todo o panorama para ver que ela diz sim a verdade. O jovem já havia atacado algumas outras garotas, e tudo escondido pela universidade para não perder o prodígio. Sua morte foi por uma pessoa forte e que não me fez suspeitar, ainda mais que aparece pouco em cena. A reitora, que foi abusada em sua época, lá em 1999, e ao ver o jovem escapar inúmeras vezes, resolve dar fim nele.

Assim a garota sai da prisão para buscar forças em outras amigas e vítimas…

O interessante do episódio é ver Hayes querendo encontrar forças na conclusão de um caso forte para tentar esquecer a “falha” com Earl. Impossível não rir de Jackson quando ele diz que eles, Morrison, sempre fazem sexo o melhor sexo de raiva, ao mesmo tempo que o irmão é uma peça fundamental para ela compreender a si mesma. Se voltar para Wallace e não saber o que será deles, já que ele terminou com Naomi, é esperar por mais problemas.

Senti falta de aprofundarem mais em Maxine e Sam, por mais que ele tenha ficado no pé dela, evitando que ela se entregue ao vício. Enquanto Frankie ficou no encalço de Tess, que ficou enrolada com Tan, o rapaz que ela colocou na prisão por conta de um engano.

A forma como exploram a consciência de Tess é bem estranha, por mais que mostre seu arrependimento, ela fica quase como um cãozinho esperando ser aceita e ser desculpada por Tan, se agarrando a isso. Mas compreendemos isso bem antes, quando ela comenta todas as escolhas que fez após saber que colocou uma pessoa inocente atrás das grades por conta de um preconceito ao achar todos os asiáticos iguais.

Conviction tem uns temas bem interessantes para serem abordados, mas falta um algo a mais na série, fazendo-a ser perdida no meio de tantas outras. Não dá para basear tudo em cima do carisma sensacional de Hayley Atwell.

Fico por aqui, comentem e to be continued