Conviction | 1×01 – Pilot

Marcando o retorno de Hayley Atwell a ABC após o injusto cancelamento de Agent Carter, Conviction a traz totalmente a vontade na pele da advogada Hayes Morrison, que por um acaso é filha do presidente, que após cometer vários erros, é colocada a frente de uma equipe disposta a reabrir casos onde os condenados são inocentes. Criada por Liz Friedman (House, Orange is the New Black, Jessica Jones) e Liz Friendlander (The Following, Stalker), a série é leve, com algumas reviravoltas e um elenco que agrada.

ENCONTROS

Logo no início vemos Hayes sendo presa, se virando na prisão até que Connor vem ao seu encontro, a tira de lá e ainda lhe dá um alto cargo no CIU. No desenrolar vemos os dois meio que se envolverem, ao mesmo tempo em que ela vai criando asas e colocando o promotor, que tentará o cargo de prefeito, em seu devido lugar. A cena dela falando que irá atrás de seus casos foi bem bacana.

Gostei da relação de Hayes com seu irmão Jackson, enquanto com a mãe ela é totalmente distante, principalmente pelo fato dela ter crescido muito diante dos holofotes. De sua vida privada a profissional, Hayes nunca teve um momento de paz, e já neste caso acaba encontrando o que realmente gosta. Sim, é clichê, mas o desenvolvimento disso é bem interessante.

Conviction

Sam era para ser o líder da CIU, mas Connor viu em Hayes a escolha perfeita, além de ter um trunfo para sua carreira; Maxine é muito correta e acaba vendo que as coisas não são preto no branco, e essas nuances vão lhe dando mais leveza durante o episódio; enquanto Tess vai ficando mais séria, mesmo tendo o apelido de Sininho, seu segredo é interessante e espero que desenvolvam bem; já Frankie e sua história de ex-presidiário traz mais humanidade a equipe, por ele querer fazer tudo diferente.

REVIRAVOLTAS

O caso da morte da garota e como o seu namorado foi injustamente acusado foi bem desenvolvido, gostei das cenas de Tess e Frankie revivendo os passos da garota, mas o melhor foi ver Hayes se envolvendo mais com as coisas, aprendendo com a dor da mãe da garota assassinada e com a mãe do rapaz injustiçado. Encontrar a garra na família deles foi uma boa pedida.

Conviction pode não ser inovadora, mas traz um elenco muito capaz e que nos envolve nas tramas de seus personagens e também no “caso do dia”. Um delicioso procedure legal que pode crescer devido os conflitos das personalidades apresentados. Além de Atwell a série conta com Eddie Cahill, Shawn Ashmore, Merrin Dungey, Emily Kinney, Manny Montana e Daniel Franzese.

Fico por aqui, comentem e to be continued