Com casa cheia e participações especiais, Capital Inicial leva o Acústico II de volta a São Paulo

Em julho de 2015, a banda Capital Inicial viajou para Nova Iorque para gravar o Acústico II. Em janeiro de 2016 estreou a turnê em São Paulo, desde então, vem arrastando multidões por onde passam. Na última sexta-feira (19/05), a banda se apresentou no Tom Brasil. O show, promovido pela rádio Metropolitana, teve os ingressos esgotados cinco dias antes da apresentação.

O espetáculo teve início por volta de 22h15. Uma cortina branca com a caveirinha no centro, símbolo que representa a banda, cobria todo o palco. Logo após os primeiros acordes de “Ressurreição“, a cortina se abriu e o público foi ao delírio. Sem muito diálogo no início, a banda emendou com “Depois da Meia Noite“, “Mais” e “A Mina“, música composta por Kiko Zambianchi.

Dinho Ouro Preto agradeceu o público ali presente e prometeu esquentar aquela sexta-feira fria. E acatou o prometido. Foram mais de duas horas de show, com um repertório vasto de clássicos e com direito a protestos.

Foto: Thiago Almeida

Thiago Castanho, que segue em turnê com o Capital Inicial falou da vergonha que nosso país está passando e cantou “Não É Sério“, música da inesquecível banda de Santos na qual ele fez parte, Charlie Brown Jr. Dinho Ouro Preto ofereceu “O Cristo Redentor” para Sérgio Cabral, ex-governador da cidade do Rio de Janeiro.

Em meio a protestos e muitas canções, Dinho Ouro Preto falou uma das frases consagradas no Acústico MTV (2000), que levou o público ao delírio: “Há muito tempo atrás numa galáxia muito muito longe havia uma banda chamada o Aborto Elétrico“. Quem acompanha a banda sabe bem o que a frase representa e o que viria em seguida no repertório. Dinho contou sua história com o Aborto Elétrico, banda de Brasília formada pelos irmãos Lemos, Flávio e Felipe (Fê), e Renato Russo e, em seguida tocaram “Fátima”, “Veraneio Vascaína”, “Música Urbana”, “Independência” e “Natasha”, ambas do Acústico MTV.

O vocalista contou também sobre as participações especiais que teve no Acustíco II. Lenine foi um dos convidados desse trabalho e o responsável por escolher o repertório que queria cantar. O recifense escolheu “Não Olhe pra Trás” (Capital Inicial – Gigante, 2004), e “Tempo Perdido” da banda brasiliense, Legião Urbana.

Foto: Thiago Almeida

Já no bis, além do vasto repertório, mais algumas surpresas. Uma delas, foi o Digão, da banda Raimundos. O músico se juntou a banda e cantou “Mulher de Fases“.

Em seguida, mais duas canções do Acústico MTV, “Fogo” e “O Mundo”. O trabalho gravado em 2000 é um dos mais importantes da carreira da banda. Chegou a vender cerca de 2 milhões de discos e trouxe o Capital Inicial de volta ao auge do Rock Nacional.

Para finalizar a noite, mais duas canções que não podem ficar de fora do repertório. A banda mandou “Que País É Esse?”, canção da Legião Urbana gravada em 1987, mas que aparentemente é tão atual. O público cantou fervorosamente e emendou com gritos de “Ei, Temer, vai tomar no cu”.

Por último e em total sincronia com o público, “Primeiros Erros (Chove)“. A canção escrita por Kiko Zambianchi em 1985 e gravada no Acústico MTV, no qual o músico participou, foi uma das canções mais executadas na época, e segue na programação das rádios até hoje.

Foto Destaque: Sabrynna Machado