Charmed | 1×11 – Witch Perfect

Com episódio dirigido por Gina Rodriguez e com a presença de Jaime Camill (pai de Jane na série de Gina), Charmed deu uma balançada na relação das irmãs e colocou Harry com um problema série, podendo largar a proteção das garotas.

ALERTA DE SPOILER: Este artigo contém informações sobre os principais acontecimentos do episódio. Continue a ler por sua conta e risco.

Miranda foi possuído pelo Maestro, o orquestrador das Sereias, quem criou a música que elas encomendam as almas dos humanos, então ele assume o controle das Hilltops, o grupo de acapela que Maggie resolveu participar e teve que estreitar os laços com Lisa. A questão é que Eife acaba tendo sua alma roubada por Miranda e a canção delas começa a roubar a alma da audiência.

Gostei que eles colocaram Galvin ativo na função com as garotas. Ele conhecendo a canção do diabo por crescer no mundo do jazz de Nova Orleans e o conhecimento de sua avó, foi interessante, pois eles criam uma trama por trás de sua presença que nos faz querer conhecer esse passado e sua avó.

Macy ficou eufórica em descobrir ser irma de Maggie e quem Mel é meia irmã das duas, então ela não sabe lidar com isso e cria um conflito entre elas. No fim acabam descobrindo o amor do pai delas, e como Ray, pai de Mel, acabou sendo enganado.

Só que dessa trama o que deixa a gente chocado é o fato de Macy ter morrido e eles terem a trago de volta, o que deixa as irmãs chocadas… Já quero ver se Charity sabe de algo sobre isso.

Niko está de volta. A policial agora é uma investigadora e está atrás da seita que Jada está envolvida, mas ela já sente uma atração por Mel que não sabe explicar, deixando a bruxa sem reação. E Mel também acaba sendo sincera com Jada sobre suas intenções com as Sarcanas, o envio dos Anciões, e ela descobre que elas já sabiam disso.

E Harry, vendo os problemas de sua vida, e tendo sua tortura no Tártaro segurando seus poderes, resolve seguir atrás de um propósito e no momento ele não se sente capaz de ser o guia das encantadas…

Charmed precisa diminuir a intensidade de umas tramas mais bobas e focar na criação de seu universo, que está interessante, mas se perde em alguns momentos. Só que mesmo assim, a série diverte.

Dan Artimos

Sou formado em Sistemas de Informações, e amante de televisão. Trabalho, leio bastante, estudo, vou a cinemas, parques e corro (ultrapassada a meta pessoal dos 21km), e ainda assim vejo séries e escrevo sobre elas. Sim, nem eu sei como consigo fazer a organização de minha agenda no meio de tantas nerdices.