Casal Improvável | Crítica

Casal Improvável (Long Shot, 2019) une uma dupla incomum para criar um filme divertido, sarcástico e com um roteiro bastante afiado para contar uma divertida história de relacionamentos num mundo moderno e de aparências. 

Liderados pela dupla Charlize Theron e Seth Rogen, Casal Improvável faz uma comédia romântica deliciosa para os tempos atuais com passagens extremamente inusitadas, completamente cativantes e leves de se acompanhar. Casal Improvável, sem dúvidas, faz um filmes mais agradáveis do ano, e acerta em cheio ao entregar pequenos momentos hilários e que devem agradar e muito o espectador.

O maior trunfo do filme, talvez seja, que ele não se leva a sério, mas não de uma forma pejorativa, e sim, que ele acerta em colocar seus personagens em situações completamente atípicas para filmes do gênero. Casal Improvável ainda trabalha suas passagens de uma forma rápida, onde em nenhum momento o espectador sente um cansaço, ou se vê dentro de uma fórmula batida, vista em inúmeras outras comédias lançadas a rodo por aí.

Casal Improvável não revoluciona ou cria alguma coisa totalmente original, mas sim, se beneficia e muito de algumas questões. A primeira um roteiro caprichado, escrito pela dupla Dan Sterling e Liz Hannah, ciente da história que quer contar, e principalmente, do momento em que a história se passa. Na trama, vemos a Secretária de Defesa, Charlotte Field (Theron) que está prestes a lançar sua candidatura para a Presidência dos EUA, até que ela reencontra com Fred Flarsky (Rogen), um jornalista que ela foi babá há muitos anos. Assim, quando ele começa a escrever os discursos dela, a união dessa dupla, tão diferente, mas ao mesmo tempo tão perfeita uma parta outra é o combustível que o filme precisa para dar certo.

Casal Improvável – Crítica | Foto: Paris Filmes

E o outro grande fator que leva Casal Improvável a dar muito certo são suas duplas de protagonistas, Theron e Rogen estão maravilhosamente bem, e esbanjam uma química perfeita em tela. Os diálogos rápidos, as linguagens corporais apresentadas somente acrescentam para deixar o filme com aquele sentimento cômico ligado no 220v. Casal Improvável abusa então de referências tanto para a cultura pop, quando para a cultura de modo geral para nos apresentar os dois lados da moeda, assim, imaginem a série política Veep (HBO), com Uma Linda Mulher (1990) às avessas, com qualquer filme que Seth Rogen esteja presente no elenco.

Casal Improvável usa de situações que poderiam ser até embaraçosas e vergonhosas, mas faz isso sem perder a mão, seja com Flarsky caindo de uma grande escada, ou de Charlotte fazendo um discurso inspirador em luta por questões importantes. Tudo isso, é entregue por uma gama de personagens coadjuvantes que ajudam e muito a moldar esse quadro hilário que é Casal Improvável, temos a durona Chefe de Gabinete, Maggie (June Diane Raphael, hilária com olhar fulminantes), a figura do melhor amigo, o empresário Lance (O’Shea Jackson Jr).

Charlize Theron and Seth Rogen in Long Shot (2019)
Casal Improvável – Crítica | Foto: Paris Filmes

E Casal Improvável ainda conta com ótimas participações especiais do ator Alexander Skarsgård como o Primeiro Ministro do Canadá, do irreconhecível Andy Serkis como um magnata das telecomunicações, e claro, o ótimo Bob Odenkirk como uma versão ah lá Trump, do Presidente dos EUA.

Mesmo exagerado em diversos momentos, Casal Improvável faz isso para dar um senso de ser mesmo uma comédia num tom acima das outras e faz passagens que abusam de situações quase surreais, mas sem nunca cansar ou envergonhar totalmente o espectador.

Um dos grandes acertos no ano, Casal Improvável joga todas as regras no lixo e entrega uma improvável mistura que dá e muito certo. Já somos Field 2020. 

Nota do Crítico:

Casal Improvável chega nos cinemas em 20 de junho.

Miguel Morales

Sempre posso ser visto lá no Twitter falando sobre o que acontece na TV aberta, nas séries, no cinema e claro outras besteiras. Uso chapéu branco e grito It's Handled! Me segue lá: twitter.com/mpmorales