Big Little Lies | 1×04 – Push Comes to Shove

Nesse quarto episódio de Big Little Lies o foco da história voltou para a personagem de Nicole Kidman, Celeste. Deixando a trama do assassinato de lado e com pouquíssimas cenas na delegacia a trama resolveu ficar presente novamente no dia-a-dia em Monterey e esse episódio começou a gerar algumas perguntas interessantes sobre a história e seus personagens.

ALERTA DE SPOILER: Este artigo contém informações sobre os principais acontecimentos do episódio. Continue a ler por sua conta e risco.

Como falamos na última review a cada episódio descobrimos um pouco mais sobre os personagens da comunidade e para cada camada revelada a surpresa é sem dúvidas bem chocante. Os moradores parecem que estão vivendo em uma panela de pressão e o barulho da tampinha está cada vez mais alto. Madeline beijou (e colocou a mão dentro da camisa, pausa gargalhadas de Celeste) Joseph Bachman seu colega de produção da peça de teatro. Celeste quer voltar a trabalhar, enfrenta Perry e também o provoca e Jane está com pensamentos suicidas por causa dos eventos do seu passado. Pois é nada em Monterey parece ser simples e calmo.

Exceto talvez Bonnie, que não sei mas alguma coisa nela tem! Madeline é forçada por ela, seu ex-marido e seu atual Ed a jantarem para tratarem da educação da filha Abigail e ela já deixa bem claro que não está muito empolgada. A cena com o ex é muito tensa e conseguimos observar como duas pessoas sem química já puderam se relacionar. Junto com esse drama todo tivemos uma algumas partes cômicas, o marido vestido de Elvis (que cada dia está mais estranho e suspeito) a filha que é viciada em música (que passou de fofinha e engraçadinha no começo da série para bem chata nesse plot de criança adulta) e claro a cena com Kidman em que ela conta sobre as investidas do colega de teatro em que ela que segundo ela agindo por impulso retribuiu. Tudo isso para descobrimos que não foi a primeira vez dos dois. Ah os segredos!

Falando nisso Celeste quer voltar a trabalhar e esconde do marido o fato, talvez por medo talvez por querer procurar uma briga o que sabemos que a personagem recorre a psicóloga dessa vez sozinha para ajudar a tomar uma decisão. Ainda mais para se livrar dessa espiral amor e ódio afinal mais uma vez a personagem foi agredida pelo marido. Daqui a pouco podemos fazer uma cartela de bingo:

Celeste e Perry brigam ✔︎
Celeste e Perry transam ✔︎

E Jane claro continua preocupada com o filho ainda mais depois que a professora insiste em voltar a tona o assusto lá do piloto da agressão entre Amabella (que depois de 3 episódios fui me ligar que não era Annabella) e Ziggy. Assim depois de passar por uma psicóloga infantil com o filho fica menos preocupada com esse problema sobre ele ser violento. Um problema a menos entre aspas pois ela continua tensa com as lembranças da noite do estupro. Conversando com um amigo no twitter chegamos a conclusão que a série ta querendo deixar muito claro que Perry possa ser o agressor/pai de Ziggy mas será que isso mesmo? Será que no final não deva ser alguma coisa do tipo “Ah ele é parecido, talvez seja ele e as personagens vão entrar num surto e acabar matando ele?” ou será que é isso mesmo “é ele mesmo o cara e elas (Celeste ou Jane) acabam por matar ele”. Afinal a vizinha fofoqueira no depoimento falou que ela Celeste estava com um olhar diferente na festa. Temos só três episódios para descobrir.

O que vocês acham? Comentem aqui ou lá no Twitter (@mpmorales)  o que vocês pensam sobre os questionamentos que a série soltou nesse episódio: Perry pode ser o agressor de Jane? Quem está perturbando a filha de Renata? O que o Ed esconde? Será que Madaline vai continuar com o rolo com o cara do teatro?

Estamos na metade de Big Little Lies e ainda com zero dicas de quem poderia ter matado ou ser morto. Tudo e todos são suspeitos mas os episódios continuam impecavelmente bons e muito bem feitos que afinal isso nem é o grande foco agora.