BGS 2018 | Adore e seu belíssimo mundo mágico

Finalizando, com atraso, a minha experiência pela Avenida Indie da BGS 2018, trago um pouco sobre o belíssimo jogo Adore. Desenvolvido pela Cadabra Games, empresa de Mato Grosso do Sul, o jogo logo de cara chama atenção por conta de seus belíssimos gráficos e o carisma do personagem principal do jogo, Lukha.

Com mecânica baseada em StarCraft, cada botão do controle do jogo serve para invocar um “monstro” que é capturado por Lukha, e esses animais, com aparências baseadas em nossa fauna, mas com significativas mudanças, colocam Lukha em ponto de batalha, usando-os para atacar seus oponentes, precisando assim saber dosar a tática e efetuar combos usando até mais de um animal ao mesmo tempo.

Novamente, o que chama a atenção do jogo são os seus gráficos.

Os cenários são pintados a mão por Diogo Carneiro e depois passado para o jogo, e na equipe ainda tem o produtor e irmão de Diogo, Thiago Carneiro, e o amigo deles e programador, Thiago Targino. A união dos gráficos com o carimas de Lukha, que um pouco nos remete um pouco a Aang, de Avatar: A Lenda de Aang, mas com um brilho próprio.

E não bastasse isso, os monstros que aparecem no caminho de Lukha também tem características próprias e até nos cativa. Entre eles temos a felina e veloz Meecra, o grandão Scrah, Venra, Venra e o lento, mas forte, Fouboo.

Com movimentos fluídos e intuitivos, além de uma mecânica até que simples, o jogo é interessante e bonito, e com 11 meses de desenvolvimento, já é um jogo digno para se ficar de olhos bem abertos.

Adore será lançado para PC (via Steam) e previsão para os principais consoles.

Dan Artimos

Sou formado em Sistemas de Informações, e amante de televisão. Trabalho, leio bastante, estudo, vou a cinemas, parques e corro (ultrapassada a meta pessoal dos 21km), e ainda assim vejo séries e escrevo sobre elas. Sim, nem eu sei como consigo fazer a organização de minha agenda no meio de tantas nerdices.