Annabelle 2: A Criação do Mal | Crítica

Como continuação de um universo de terror compartilhado criado por James Wan com os filmes Invocação do Mal 1 (2013), Invocação do Mal 2 (2016) e Annabelle (2014), a sequência da boneca chega aos cinemas prometendo mais pistas sobre essa grande história espalhada por aí. Em Annabelle 2: A Criação do Mal (Annabelle: Creation, 2017) o filme consegue fazer aquilo que é proposto, contar as origens da boneca do mal de uma forma assustadora, eficaz e com muitos easter-egg que conectam o filme com os outros de uma forma bem sutil.

Para os fãs do gênero o longa é uma grande mistura de suspense com aquele terror mais físico, com cadeiras voando, objetos indo de um lado para o outro, momentos instigantes e bem assustadores que fazem você saltar na cadeira do cinema de tempos em tempos. Annabelle 2 é um típico e clássico filme de terror que você pode resumir em uma frase “vamos entrar nesse lugar escuro e assustador que tem uma coisa que pode nos matar? vamos!”. Assim, quem assiste espera por esses momentos como uma criança espera pelo dia de Natal e a expectativa para alguma coisa de ruim acontecer com os personagens é gigante e o filme consegue fazer isso de uma forma fantástica e muito bem trabalhada.

Foto: Warner Bros

A trama é básica e quase muito dela foi já vista nos trailers. Um habilidoso artesão de bonecas (Anthony LaPaglia) vive com sua filha (Samara Lee) e sua esposa (Miranda Otto) e depois que a menina morre de uma forma bem trágica, ele resolve depois de anos transformar sua casa grande e vazia em um orfanato. Assim, com a chegada de uma freira e algumas meninas, elas acabam mudando a dinâmica da família.

E é nessa parte que a história começa a ganhar um certo fôlego, os momentos mais interessantes acontecem a medida que o filme para de tentar fazer com que as coisas “sobrenaturais” que ocorrem serem frutos da cabeça das crianças e não serem reais. O longa leva um pouco de tempo para apresentar suas personagens, mas o destaque fica com as colegas Linda (a super expressiva Lulu Wilson) e Janice (a competente Talitha Bateman) que sofrem por não conseguirem um lar para serem adotadas. Para deixar as coisas mais complicadas ainda, Janice sofre de poliomielite e tem um problema de locomoção. As outras meninas formam como se fossem um bando e são pouco desenvolvidas dentro do filme mas mesmo assim estão lá para fazer uma certa cota que sempre rola nos filmes de terror.

O mais bacana em Annabelle 2 é já sabermos como funciona todo o lance demônio-dentro-da-boneca e você pode sentar e relaxar para ver os personagens agindo em cena sem saber das coisas. A boneca continua assustadora com aquele sorriso falso, olhos arregalados e o roteiro do filme escrito por Gary Dauberman não é um daqueles trash, filme de terror B, ele tem algumas sacadas que servem muito bem para os fãs dos filmes das franquia. Fica claro também a preocupação nos detalhes e nas cenas filmadas, a produção visual e os cenários (que são poucos) ajudam o filme a criar uma atmosfera bem angustiante e até claustrofóbica em alguns momentos.

Com poucos efeitos especiais e dependendo mais das atuações principalmente das meninas e da professora-freira, Irmã Charlotte (Stephanie Sigman) o filme se concentra em como o demônio quer se manifestar e claro seu plano final é tomar pose de corpo de alguém. Talvez a aparição real da forma física do monstro acabe por deixar algumas pessoas incomodas pois afinal a maior parte da graça é o mistério de “será que o monstro aparece mesmo?“. Outro destaque fica com as tramas que nesse filme acabam que se resolvendo nele mesmo e o longa conecta bem com os outros filmes que já aparecerem na franquia. Fiquem ligados pois todas as cenas tem um por que de estarem lá.

Com o diretor David F. Sandberg, explorando bastante o recurso de câmera que acompanha o espectador junto com o personagem, Annabelle 2: A Criação do Mal é um filme com uma história e roteiro sólido e convincente a medida que vai mostrando como demônios atuam, com uma pitada de humor na medida certa e finalmente alguns personagens inteligentes que não fazem a gente torcer contra eles. No final das contas, a produção é um bom terror com ótimas cenas de suspense e atuações que não exigem muito mais entregam aquilo que é esperado.

Nota do Crítico:

Ps: Dica do Arroba Nerd, fiquem na sala até o final pois o filme tem duas cenas pós-créditos.

Annabelle 2 – A Criação do Mal chega aos cinemas no dia 17 de agosto.