Mostra SP 2018 | A Rota Selvagem (Lean on Pete) – Resenha

A Rota Selvagem (Lean On Pete, 2017) tem direção Andrew Haigh e ganhou o prêmio Marcello Mastroianni Award de Melhor Jovem Atriz ou Ator no Festival de Veneza no ano passado para o Charlie Plummer.

Confira a sinopse:

Charley Thompson é um garoto de 15 anos que sonha com estabilidade. Filho de um pai solteiro, os dois mudam de cidade com frequência. Quando eles se estabelecem em Portland, no Oregon, Charley consegue um emprego de assistente de treinador de cavalos. No trabalho, o rapaz se encanta por um velho cavalo chamado Lean-on-Pete. Ao descobrir que a vida do animal está em risco, ele decide tomar medidas extremas para salvar esse novo e improvável amigo.

O que achamos: 

Venha pelo cavalo, fique pela atuação de Charlie Plummer. Sim, o jovem ator realmente está muito bem em A Rota Selvagem e basicamente compensa assistir ao filme somente pela bela atuação que Plummer faz do jovem em sua jornada de amadurecimento pelo interior dos EUA.

Tirando isso, A Rota Selvagem, tem alguns defeitos que deixam o filme um pouco cansativo ao misturar diversas fases e momentos da vida de Charley. São muitas sub-tramas que o roteiro apresenta para o espectador onde a história as desenvolve de uma forma bastante lenta, como se fossem pequenos episódios dentro de um mesmo filme.

Tudo é muito intenso, temos a questão com Ray (Travis Fimmel), pai solteiro e totalmente despreocupado com o filho, depois com a trama com o treinador Del (Steve Buscemi, ótimo), depois somos apresentados para a corredora de cavalos Bonnie (Chloe Sevigny) que tem suas boas cenas. Logo após isso, temos toda a jornada de Charley para salvar o cavalo, com todas as paradas (casa de estranhos! restaurantes de beira de estrada! abrigo para pessoas sem teto!) que o personagem faz até chegar na casa de sua tia Marge (Allison Elliott) e ai sim o filme conclui sua trama. É uma grande coleções de pequenas histórias, boas, mas que deixam o filme com o sentimento carregado, exaustivo e completamente cansativo.

A Rota Selvagem é um filme dá várias voltas (mesmo que algumas sejam muito boas e com boas atuações) para contar uma história no melhor estilo coming of age com ótimas paisagens do interior rural dos EUA.

Nota do Crítico:

Visto na 42ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo.
Previsão de estreia no circuito nacional para 15 de novembro

Miguel Morales

Sempre posso ser visto lá no Twitter falando sobre o que acontece na TV aberta, nas séries, no cinema e claro outras besteiras. Uso chapéu branco e grito It's Handled! Me segue lá: twitter.com/mpmorales