A Cabeça de Gumercindo Saraiva traz a história de um país dividido pela intolerância

No dia 25/10, chega aos cinemas o filme brasileiro A Cabeça de Gumercindo Saraiva, uma ficção baseada no livro Gumercindo, de Tabajara Ruas, também diretor e roteirista do longa-metragem. O filme tem no elenco Leonardo Machado, que faleceu no último dia 28/09, em Porto Alegre. Último longa dos 26 de que participou, Léo como era carinhosamente chamado, é protagonista e de acordo com sua vontade, a família manteve toda a programação relativa a seus trabalhos.

O filme conta a saga do capitão rebelde Francisco Saraiva, filho de Gumercindo, interpretado por Leonardo Machado, e cinco cavaleiros para resgatar a cabeça do pai, levada à capital pelo major Ramiro de Oliveira, interpretado por Murilo Rosa, e dois ajudantes. No elenco também se destacam Marcos Pitombo, Allan Souza Lima, Marcos Verza e Sirmar Antunes.

Gumercindo Saraiva foi um caudilho revolucionário do Partido Libertador, grupo conhecido como maragatos, que teve a cabeça cortada pelos legalistas durante a Revolução Federalista – revolta que marcou o Sul do Brasil entre os anos 1893 e 1895.

O longa teve como cenário seis cidades do Rio Grande do Sul, entre elas São Miguel das Missões com a catedral missioneira Patrimônio da Humanidade pela Unesco, Cambará do Sul com cachoeiras e cânions vertiginosos e São Francisco de Paula com suas coxilhas onduladas. Além disso, algumas cenas foram filmadas no Theatro São Pedro, em Porto Alegre.

A Cabeça de Gumercindo Saraiva tem produção da Walper Ruas e distribuição Elo Company, e entra em cartaz pelo Projeta às 7, iniciativa da Cinemark em parceria com a Elo que oferece sessões de segunda à sexta-feira, às 19h, em 20 salas do Cinemark de 19 cidades brasileiras, com preços especiais de R$ 12 (inteira) e R$ 6 (meia).

A Cabeça de Gumercindo Saraiva tem estreia agendada para o dia 25 de outubro.

Dan Artimos

Sou formado em Sistemas de Informações, e amante de televisão. Trabalho, leio bastante, estudo, vou a cinemas, parques e corro (ultrapassada a meta pessoal dos 21km), e ainda assim vejo séries e escrevo sobre elas. Sim, nem eu sei como consigo fazer a organização de minha agenda no meio de tantas nerdices.